sexta-feira, 10 de abril de 2009

OS HITITAS: RESUMO HISTÓRICO

Os hititas (imagem ao lado) eram um povo indo-europeu que se instalou e viveu na Anatólia central (atual Turquia) entre os séculos XVIII e XII a.C. Não se sabe como denominavam a si mesmos, mas chamavam seu país de “Terra de Hati”, expressão que tinha o sentido de “Terra da cidade de Hatusa” e são hoje comumente chamados de hititas a partir dos informes bíblicos, egípcios e assírios. São chamados de khetas na Odisséia de Homero ( séc. VIII a.C.). A Bíblia se refere aos hititas em diversas passagens nas quais os chama de heteus. Em Gêneses 10.15 (a famosa tabela das nações) é mencionado o primeiro antepassado dos hititas, Hete, filho de Canaã. Os hititas são contados desse modo entre os Cananeus. São descritos geralmente como pessoas que viveram entre os Israelitas, possuíam seus próprios reis e eram militarmente poderosos. Quanto ao seu nome e linguagem a Wikipédia informa: Hitita é um nome moderno, escolhido depois da (ainda discutida) identificação da monarquia de Hatusa com os hititas mencionados no Antigo Testamento. Em textos multilíngües encontrados em sítios hititas, as passagens escritas na língua hitita são precedidas pelo advérbio nesili (ou nasili, nisili), "na [fala] de Nesa (Kanes)", uma importante cidade da Anatólia oriental antes da ascensão do Império. Em um caso, aparece o rótulo Kanisumnili, "na [fala] do povo de Kanes". Embora o império hitita fosse composto de povos de muitos contextos étnicos e lingüísticos diversos, a língua hitita foi usada na maior parte dos seus textos seculares escritos. Apesar de vários argumentos a respeito da propriedade do termo, "hitita" permanece por convenção o termo mais corrente, embora alguns autores insistam em usar nesita". Até o final do século XIX, os hititas só eram conhecidos por citações no Antigo Testamento (filhos de Hete, Heteus) e somente as escavações arqueológicas trouxeram à luz a grandiosidade de uma das primeiras grandes potências da História antiga. Sua capital era Hatusa (Hattusha), atual Borgazköy, na Turquia.


Abaixo, sítio arqueológico de Hatusa


Abaixo, o Portal dos Leões em Hatusa


Reconstrução computadorizada da Cidadela Real de Hattusa


Falavam uma língua própria indo-européia a qual transcreviam em hieróglifos próprios e em empréstimos da escrita cuneiforme assíria. Sofreram influência da cultura da Mesopotâmia, como a escrita cuneiforme e deuses dos panteões dos povos vizinhos, e adaptaram essas influências a sua língua e civilização.

Escrita hitita em hieróglifos


Texto hitita cuneiforme

Inicialmente a terra deles era habitada pelos hatitas, "o povo de Hati", aos quais conquistaram. Os Hititas aglutinaram numerosas cidades-estado de culturas muito distintas entre si e chegaram a criar um influente império devido a sua superioridade militar e a sua grande habilidade diplomática, constituindo-se desta forma como a terceira potência no Oriente Médio (junto a Babilônia e ao Egito). Aperfeiçoaram o carro de combate ligeiro, ao qual empregaram com grande êxito; a eles se atribui uma das primeiras utilizações do ferro como objeto de luxo. A economia hitita estava baseada na agricultura e suas técnicas metalúrgicas eram avançadas para a época.

Carro de combate e guerreiros hititas


Representação dos guerreiros hititas num carro bélico



Os reis hititas assentavam seu poder na competência militar. Seu título comum era Tabarna (Grande Rei) e o rei atuava como sumo sacerdote, chefe militar e juiz principal da terra. O reino era administrado por governantes provinciais, geralmente membros da família real, que eram substitutos do rei. Em sua legislação as penas de morte eram reduzidas e quase sempre substituídas por indenizações. Construíram uma das primeiras bibliotecas e eram tolerantes com os povos conquistados em comparação com os cruéis assírios. Os êxitos mais relevantes da civilização hitita se encontram no campo da legislação e da administração da justiça.

Tableta contendo legislação hitita acerca do assassinato
de um mercador dentre outras disposições

A arte e a arquitetura hititas foram influenciadas por praticamente todas as culturas contemporâneas do antigo Oriente Médio e, principalmente, pela cultura babilônica. Apesar disso, os hititas alcançaram certa independência de estilo que assinalaram sua arte distinta. Os materiais de seus edifícios normalmente eram a pedra e o tijolo, embora também usassem colunas de madeira. Os numerosos palácios, templos e fortificações foram com freqüência decorados com relevos estilizados e intrincados, talhados nos muros, portas e entradas. Abaixo, exemplos da cultura hitita:

Reconstrução gráfica de um silo hitita de grãos em Hatusa Rhyton (espécie de cálice) em forma de touro
Deus Sol esculpido numa câmara das muralhas de Hatusa

Discos rituais solares


A religião hitita chegou a ser conhecida como “a religião dos mil de deuses”. Tinha numerosos deuses próprios e outros importados de outras culturas. Os estudiosos encontraram influência suméria, babilônica, assíria, hurrita, luvita e outras estrangeiras no panteão hitita. São de especial interesse alguns poemas épicos que contêm mitos, originalmente hurritas, com motivos babilônicos, entre os quais Teshub, o deus do trovão e da chuva, cujo emblema era um machado e Arinna, a deusa do sol. Outros deuses importantes foram Aserdus (deusa da fertilidade), seu marido Elkunirsa (criador do universo) e Saushka (equivalente hitita a deusa mesopotâmica Ishtar).
O rei era tratado como um escolhido dos deuses e se encarregava dos mais importantes rituais religiosos. Se algo não ia bem no país, podia-se culpá-lo se tivesse cometido o menor erro durante um destes rituais e mesmo os próprios reis participavam desta crença; por exemplo, Mursil II atribuiu uma grande praga que havia devastado o reino hitita aos assassinatos que levaram seu pai ao trono e realizou inúmeros atos para pedir perdão aos deuses.

Representação de doze deuses hititas do submundo

Representação de dois deuses hititas


Templo 1 de Hattusa:reconstrução gráfica e sítio arqueológico


Representação de um rei hitita e da deusa Hattusha



A história do Império Hitita é dividida em quatro períodos: Antigo Reino (c. 1680-1500 a.C.), Reino Intermediário (c. 1500-1400 a.C.), Novo Reino (c. 1400-1177 a.C.) e Período das Cidades-Estado (c. 1193-710 a.C.) quando os hititas já estão enfraquecidos. Em sua extensão máxima, o Império Hitita compreendia a Anatólia, o norte e o oeste da Mesopotâmia até a Palestina. Sua queda data dos séculos XIII-XII a.C. quando das invasões dos Povos do Mar e dos kaskas que levaram ao seu desaparecimento da História.

O Império Hitita em sua máxima extensão



REFERÊNCIAS:
http://es.wikipedia.org/wiki/Historia_de_los_hititas
http://es.wikipedia.org/wiki/Hititas
http://pt.wikipedia.org/wiki/L%C3%ADngua_hitita
http://www.shoujohouse.clubedohost.com/Shoujo/hititas.html
http://www.hittites.info/Images/rekonstruktion_koenigsburg_hattusa.jpg http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/civilizacao-hitita/civilizacao-hitita.php
http://www.hattuscha.de/English



2 comentários:

  1. É interessante verificar que, sendo a Suméria uma civilização da mesma área geográfica, só se tenha descobeto a civilização hitita no séc. XIX.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, é mt interessante este trabalho. Gostaria de lhe colocar uma questão quanto aos hattitas. Sabe-se qual é a sua verdadeira origem?

    ResponderExcluir